Skip to main content

Cultura da Cana-de-açúcar

Inovamos na cana junto com você.

O Brasil é maior produtor mundial de cana-de-açúcar.

Importante fonte de carboidratos para consumo humano e também fonte de energia, por meio da produção de etanol. O desafio de aumentar a oferta de alimentos e de energia renovável para o mundo passa pela capacidade de ampliar a produtividade das lavouras de cana. Por isso, a Syngenta está empenhada em oferecer tecnologia de ponta e as melhores soluções para ajudar os produtores.

Saiba mais

Vou com Etanol - É energia limpa e movimenta a economia local.

Universo da Cana-de-açúcar

Descubra o que pode tirar a produtividade da sua lavoura

Cultura da Cana-de-açúcar

Conheça mais sobre as Soluções Syngenta

Posicionamento do produto na cultura

Nossos produtos

Syngenta
O portfólio mais eficaz

Para garantir uma lavoura saudável e lucrativa, a Syngenta oferece o melhor e mais completo portfólio de produtos e soluções integradas do mercado.

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta

Cana-de-açúcar: tudo sobre a cultura

Cana-de-açúcar é um grupo de espécie de gramíneas, nativas das regiões tropicais da Ásia. A planta tem entre dois e seis metros de altura, o que varia de acordo com a quantidade de sol que ela recebe diariamente, e possui caules robustos, fibrosos e articulados, ricos em sacarose.

A cana é utilizada principalmente para a produção de açúcar, parte indispensável da alimentação humana, e do álcool, utilizado entre outras coisas como combustível para abastecer os veículos (etanol) e, mais recentemente, o biodiesel. Além disso, praticamente todos os resíduos da agroindústria canavieira também são reaproveitados, transformando-se em:
Adubo;
Biomassa (produção de biogás); e
Fertilizantes para o campo.

Cana-de-açúcar: a origem

A cana-de-açúcar é uma planta proveniente do sul e sudeste asiático: a espécie Saccharum barberi é originária da Índia e a S. officinarum da ilha de Nova Guiné. Com a migração humana e a expansão dos muçulmanos, a cana foi introduzida em novas regiões. Foram os comerciantes árabes que introduziram seu cultivo no Egito no século X e através do Mar Mediterrâneo, no Chipre, na Sicília e na Espanha.

Posteriormente, foi levada para as Américas durante a expansão marítima. Cristóvão Colombo foi o primeiro a levar a cana-de-açúcar para o Caribe durante a sua segunda viagem para a América, inicialmente para a ilha que hoje é a República Dominicana.


A cultura de cana-de-açúcar no Brasil

No Brasil, a cana-de-açúcar chegou em 1520, logo após os portugueses. Foi introduzida em Pernambuco, com a instalação de engenhos de açúcar, e foi considerada a base da economia na região.

Nesse período, foi empregada mão de obra escrava, primeiramente indígena e, em seguida, de origem africana, até o final do século XIX. Com a mudança da economia brasileira para a monocultura do café, os escravos foram deslocados aos poucos para as grandes fazendas cafeeiras. Com o tempo, a economia dos engenhos entrou em decadência, sendo praticamente substituída pelas usinas.

Desde que chegou ao país, a cana-de-açúcar se tornou um dos mais importantes cultivos desenvolvidos no Brasil. Atualmente, o país ocupa o primeiro lugar no ranking de produção de açúcar e é o maior exportador mundial de etanol.

A cana tem importância global na busca por um desenvolvimento mais sustentável, já que a procura por combustíveis renováveis, capazes de substituir o petróleo sem causar danos tão agressivos ao meio ambiente cresce cada vez mais.

Atualmente, a Região Sudeste é a responsável pela maior parte da produção de cana-de-açúcar do país, concentrada no estado de São Paulo, na zona da mata mineira e no norte fluminense. Em seguida estão os estados de Goiás e Minas Gerais, respectivamente.

Conheça mais sobre as soluções Syngenta para a lavoura de cana-de-açúcar


A cultura da cana, como qualquer outra, sofre com ataques de diversas doenças, pragas e invasões de plantas daninhas. Para aumentar a produtividade dos canaviais, a Syngenta desenvolveu tecnologias capazes de combatê-las.

Para o controle de doenças da cana-de-açúcar


Entre as principais doenças que atacam as lavouras de cana estão: Ferrugem (Puccinia melanocephala), ferrugem-alaranjada (Puccinia kuehnii) e podridão-abacaxi (Ceratocystis paradoxa). Elas são capazes de dizimar a produtividade do cultivo agrícola.

Pensando nisso, a Syngenta desenvolveu o fungicida sistêmico Priori Xtra, que é utilizado em pulverizações preventivas para o controle de doenças da parte aérea da cana, assim como no tratamento industrial de mudas e em aplicações no sulco de plantio. O produto também pode ser um grande aliado no incremento da produtividade dos canaviais e da qualidade do produto final.

Para o manejo de pragas na lavoura de cana


Com o aumento das chuvas e da temperatura, a broca-da-cana (Diatraea saccharalis) pode ter incidência maior na lavoura e colocar a produtividade em risco. Além disso, os furos realizados pela praga permitem também o ataque de fungos e outras pragas secundárias.

Para lidar com a broca-da-cana, a Syngenta desenvolveu Ampligo, inseticida de contato e ingestão que promove uma rápida ação de controle.

A lista de prejuízos causados pela cigarrinha-das-raízes (Mahanarva fimbriolata),é grande, com perdas de produtividade que podem chegar a até 60%. Entre os danos que ela pode causar na lavoura estão: redução do teor de açúcar nos colmos e aumento do teor de fibras e também dos colmos mortos.

Para combater a cigarrinha-das-raízes, a Syngenta possui Actara em seu portfólio. Sua aplicação no momento certo reduz a necessidade de outras pulverizações ao longo do cultivo.

Engeo Pleno S proporciona a mortalidade das pragas da cana-de-açúcar em poucas horas após a aplicação. O inseticida da Syngenta é altamente eficiente para o controle de insetos que afetam a cultura como o Sphenophorus levis e a cigarrinha-das-raízes.

O produto possui tecnologia Zeon, que proporciona rápido efeito de choque e o controle residual ainda melhor.

Para o controle de plantas daninhas nos canaviais


São diversas as plantas daninhas que podem levar a grandes perdas na cultura da cana-de-açúcar. Entre os herbicidas para combatê-las, a Syngenta apresenta Grover, produto pré-emergente, com amplo espectro de controle e longo efeito residual. O produto é flexível e com possibilidade de ser aplicado em cana planta e cana soca.

Outro destaque é o Calipen SC, herbicida de ação pós-emergente altamente seletivo para a cana-de-açúcar. Pode ser utilizado em qualquer fase do cultivo, inclusive por meio de aplicação aérea. A solução possui amplo espectro, com eficácia no controle concomitante de folhas largas e gramíneas.

A Syngenta conta com um amplo portfólio de proteção de cultivos, que permite que o agricultor execute adequadamente o manejo estratégico de alvos na cultura da cana-de-açúcar. São fungicidas, inseticidas e herbicidas desenvolvidos com o propósito de promover o potencial máximo de produtividade no canavial.