Embrapa identifica resistência da lagarta-do-cartucho ao metomil

01/09/2017 17:51:40

Atualizado:

22/09/2017 19:04:59

A mais relevante praga do milho, a Spodoptera frugiperda, conhecida como lagarta-do-cartucho, apresentou resistência ao metomil, inseticida muito usado no combate ao problema. A constatação foi feita em trabalho de monitoramento de resistência da lagarta realizado pela Embrapa em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso e a Aprosoja-MT na última safrinha de milho no estado. 

As amostras foram coletadas em lavouras de milho nos municípios de Diamantino (MT), Nova Mutum (MT), União do Sul (MT) e Alto Garças (MT). “Para essas regiões, seria importante não utilizar essa molécula na próxima safra. Mas é um monitoramento que precisa ser feito em todo ciclo. Vai chegar um ponto em que essa população resistente pode voltar à condição de susceptibilidade”, disse Rafael Pitta, pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril, ao Portal DBO.

Veja também:
+ Pesquisador Fernando Favero fala de Ampligo no pré-plantio da soja

Segundo o especialista, a taxa de mortalidade das lagartas nesses locais ficou entre 15% e 30%, o que é considerado um baixo índice de efetividade. A referência de comparação são lagartas criadas em laboratório, que não têm contato com inseticidas por um longo tempo. “Para uma população do campo ser considerada suscetível, 50% teria de morrer. Se morrer muito menos do que a metade, é indicativo de que há problema de resistência”, explicou o pesquisador.

O metomil é usado hoje em 17% da área plantada de milho safrilha no Brasil, segunda dados de pesquisa de mercado da Spark Inteligência Estratégia, além de 20% da área tratada de soja para o controle de Spodoptera. Com a indicação de interromper o uso deste inseticida para lidar com a questão da resistência, uma alternativa eficaz é a combinação de Clorantraniliprole + Lambda-cialotrina, sendo um produto que trata mais  1 milhão de hectares de milho no Brasil para o controle de Spodoptera.
 
Essa combinação é usada pela Syngenta na formulação de Ampligo. Segundo Fernando Zinsly, gerente de produtos da companhia, os dois ingredientes ativos estão de acordo com o manejo antiresistência e controlam a lagarta por contato e ingestão. “Um dos diferenciais do produto é a maior velocidade no controle da praga. Testes de aplicação demonstram que o inseticida começa a agir em apenas 20 minutos após a aplicação e elimina a lagarta em 24 horas”, diz Zinsly.

ASSISTA: AMPLIGO GARANTE AMPLA PROTEÇÃO CONTRA PRAGAS 

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!