Skip to main content

Os cuidados no manejo dos percevejos na cultura do milho

Conheça os principais danos causados pela praga, as medidas de controle mais eficientes e as boas práticas na lavoura

Publicado 30-07-2020 16:47:32

Linkedin Whatsapp
Os cuidados no manejo dos percevejos na cultura do milho

Os percevejos estão entre as maiores preocupações para os agricultores em algumas regiões do Brasil e, na cultura do milho, o percevejo barriga-verde (Dichelops melacanthus) é a principal ameaça. Ele ataca na fase de emergência do colmo, comprometendo o crescimento e o desenvolvimento da planta, o que resulta em queda na produtividade e qualidade dos grãos.

Para realizar o controle de percevejos no milho é importante conhecer o comportamento da praga, suas ocorrências na área e as estratégias eficientes que devem ser empregadas além de, é claro, realizar o monitoramento e a identificação da espécie o quanto antes.

Cuidados com o percevejo barriga-verde no milho

Os percevejos são pragas iniciais no milho, ou seja, atacam a cultura desde o estágio VE até o estágio V5, nos primeiros 30 dias após a emergência. Quanto mais novas são as plantas, menos lignificado e espesso é o caule e maior é o potencial de danos na lavoura quando atacada pelo percevejo barriga-verde.

O inseto perfura a base da plântula para se alimentar e causa danos ao injetar toxinas em seus tecidos. Assim, pode provocar alterações fisiológicas que comprometem o desenvolvimento do milho, como por exemplo o “encharutamento” das folhas. Em situações mais graves, quando há dificuldade de controle, a redução no número de plantas é tão severa que pode ser necessário realizar o replantio das áreas.

Portanto, é fundamental adotar alguns cuidados e boas práticas que auxiliam no manejo dos percevejos no milho, como:

  • Reduzir a população no cultivo anterior

Muitos agricultores revezam o cultivo de soja-milho, e o ataque de percevejos costuma ter início na fase final da cultura de soja. Como o período entressafra dessas culturas é curto, os percevejos conseguem sobreviver facilmente na área. Dessa forma, as pragas iniciam o ataque assim que o milho começa a emergir. Por isso, é recomendado dar início ao controle do percevejo no fim do ciclo da soja, a fim de garantir maior sanidade da área em que o milho será plantado.

  • Controlar plantas daninhas

Após a colheita da soja, os percevejos buscam refúgio na palhada e nas plantas daninhas remanescentes. Além disso, quando há falhas na dessecação no pré-plantio, as plantas daninhas remanescentes servem como alimento para estas pragas. Por esses motivos, o manejo das ervas daninhas antes da semeadura do milho é considerado uma boa prática de controle.

  • Tratar as sementes

O tratamento de sementes é uma prática que causa a diminuição no ataque dos percevejos mas, em períodos críticos, seu efeito não é suficiente para garantir a proteção da lavoura. Como ela fornece uma proteção parcial, necessita ser seguida pela aplicação de inseticida no local.

  • Aplicar inseticidas

O uso de inseticidas é importante para evitar que o produtor de milho tenha grandes prejuízos. Deve-se buscar produtos com efeito de choque e residual prolongado, que protegem a planta por mais tempo e atuam contra reinfestações.

Manejo químico: inseticida contra percevejos

A principal estratégia para o manejo do percevejo barriga-verde é o controle químico por meio de inseticidas. Para auxiliar o produtor no controle de percevejos e assegurar a produtividade da lavoura, a Syngenta desenvolveu o inseticida Engeo Pleno S.

Foram realizados mais de 2.100 testes comparativos entre Engeo Pleno S e concorrentes no Brasil, comprovando a eficácia do produto: acaba com as pragas em poucas horas após a aplicação.

Considerado a melhor opção para as primeiras aplicações, o inseticida possui efeito de choque e residual, que proporciona controle por tempo prolongado de ninfas e adultos.

Sua tecnologia Zeon proporciona melhora no método de micro encapsulamento de lambda-cialotrina, o que garante o rápido controle de insetos, sendo totalmente diferente dos competidores no mercado.

NAO TEM SEGUNDO BANNER