59,2% das mulheres do agro são donas ou sócias de fazendas

Estudo divulgado em congresso do setor mostra que elas estão cada vez mais atuantes nas tomadas de decisão

19/10/2017 11:34:33

Atualizado:

07/06/2018 11:47:08

Shutterstock

As mulheres estão cada dia mais ativas e influentes no meio rural. Segundo pesquisa divulgada durante o 2º Congresso Mulheres do Agronegócio, 59,2% delas são donas ou sócias das propriedades rurais onde atuam. A pesquisa foi realizada pelo instituto Ipeso em parceria com a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag). Realizado nos dias 17 e 18 de outubro em São Paulo, o congresso teve patrocínio da Syngenta.

Para o estudo, foram consultadas 862 mulheres de todas as regiões do país. Do total de entrevistadas, 73,1% trabalham em negócios "dentro da porteira”, 13,9% atuam “depois da porteira” e 13% trabalham “antes da porteira”. Entre os perfis da amostra estão "proprietárias ou sócias" da atividade rural (59,2%), "funcionárias ou colaboradoras" (30,5%) e "diretora, gerente, administradora ou coordenadora" (10,4%). 

Veja também:

+ Mapa de Monitoramento: receba gratuitamente alertas de daninhas, pragas e doenças, como a ferrugem, na sua região

+ “Gestão da sucessão familiar é essencial para o negócio”, diz Gustavo Lemos. Assista

Capacitação

De acordo com o estudo divulgado no congresso, o perfil das mulheres à frente dos negócios e trabalhos rurais mostra que elas são confiantes quanto às próprias habilidades. Quando perguntadas sobre suas capacidades de trabalho no campo, 55% acreditam estar “totalmente preparadas” para assumir cargos importantes na gestão de uma propriedade rural, e 40,9% das mulheres respondem que se sentem parcialmente preparadas, revelando que, para boa parte delas, é preciso buscar mais conhecimento para gerir a fazenda. Os interesses são diversos: 56,8% delas estão querem aprender mais sobre “gestão de pessoas”, 54,5% desejam saber sobre “gestão empresarial” e 33% delas gostariam de ter mais conhecimento de finanças.

“É possível fazer uma interpretação positiva quando a pesquisa revela que 40% delas se consideram parcialmente preparadas. Ao reconhecerem os desafios diários de suas funções, elas revelam saber que é preciso buscar permanentemente mais conhecimento”, diz o estudo.

Ainda segundo a pesquisa, 36,2% das mulheres disseram ter optado pelo agronegócio por gostar da vida no campo, 34% já tinham familiares atuando na área, 15,6% já eram proprietárias ou sócias de uma propriedade rural e 10,7% enxergaram no agro uma oportunidade de trabalho.

Preconceito

A maioria massiva das mulheres que responderam à pesquisa afirmou que sentem alguma forma de preconceito por serem mulheres no campo. Para 44,2% delas o preconceito é evidente, e sutil para 30% da amostra. Entre as situações comentadas estão insubordinação de funcionários homens, não serem levadas a sério e rejeição de seus parceiros por se interessarem pelo trabalho rural. Entretanto, 61,1% das mulheres do agro afirmaram não ter tido nenhum problema de liderança por ser mulher.

Sobre a divisão de atividades da lida entre homens e mulheres, elas consideram também que a maioria dos processos da fazenda pode ser feita por ambos os sexos. Porém, as consultadas acreditam que são elas que devem dirigir os negócios, gerir pessoas e participar de feiras do agronegócio. Já capinar, carregar caminhão e o manuseio de defensivos agrícolas são, na visão das participantes, trabalhos mais masculinos.

A Syngenta foi uma das patrocinadoras do 2° Congresso Mulheres do Agronegócio.

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!