Melhore o manejo da broca-da-cana

A broca pode causar diversos danos à lavoura e afetar a produtividade

22/11/2018 18:33:19

Atualizado:

26/11/2018 11:58:29

Principal praga da cana-de-açúcar, a broca-da-cana (Diatraea saccharalis) pode se tornar um grande problema para o  setor sucroenergético quando não é controlada de forma adequada e eficaz. Segundo a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a lagarta pode causar uma série de danos à lavoura. Ao penetrar na cana e abrir galerias, o inseto provoca perda de peso e a morte das gemas, o que causa falhas na germinação. Quando a broca faz galerias circulares, pode levar ao tombamento da planta pelo vento. Em canas novas, causa o secamento dos ponteiros (conhecido por "coração morto"). Pode, ainda, causar enraizamento aéreo e brotações laterais. Já os orifícios feitos pela  broca viram porta de entrada para os fungos que causam a podridão-vermelha (Colletotrichum falcatum e Fusarium moniliforme), doença que reduz significativamente a produtividade e a qualidade da matéria-prima.

“Condições de umidade e alta temperatura favorecem a proliferação da broca. Nesse ano, com as chuvas antecipadas, a expectativa é de um nível de infestação alto. O pico de infestação da praga ocorre na estação das águas, mas o manejo deve ser feito ao longo do ciclo inteiro da cultura, para manter os índices de infestação em níveis baixos, uma vez que o ataque de broca tem implicações na produtividade e no processo de industrial.”, explica Andressa Lemos, gerente de inseticidas da Syngenta.

Para o manejo da broca, é recomendado o controle químico e biológico. A Cotesia flavipes (uma pequena vespa) é o principal agente de controle biológico utilizado para o controle da broca. “Em relação ao manejo químico, o inseticida Ampligo é comprovadamente um produto seletivo, ou seja, não tem impacto significativo no número e na diversidade das populações de inimigos naturais da broca, como a Cotesia flavipes.”, diz Andressa. 

Ampligo, inseticida de contato e de ingestão, combina Lambda-cialotrina e Clorantraniliprole, promovendo a sinergia dos  princípios ativos oferecendo alta eficácia de controle,  em função da maior velocidade de ação e longo período de residual contra a praga. É o produto do gênero que oferece o melhor custo-benefício do mercado, reduzindo o custo de manejo da broca de forma significativa para o setor. 

Já para o monitoramento da broca, uma excelente opção é o uso do SmartBio, um software desenvolvido em parceria da Smartbreeder com a Syngenta, que consegue prever o surgimento de pragas na cultura de cana-de-açúcar. A tecnologia auxilia os agricultores na redução dos custos da operação de levantamento da praga e planejamento de controle. O SmartBio avalia diversos  fatores que contribuem para a presença da broca, como o clima, o tipo de solo, variedades, etc. e por meio da análise destes dados, o software auxilia os produtores e usina a realizar o manejo adequado.

Produtores e usinas podem, ainda, fazer o manejo da cultura da cana de forma eficiente e adequada com o auxílio do amplo portfólio da Syngenta, que conta com inseticidas, herbicidas, fungicidas e maturador, além de mudas pré-brotadas (Plene PB) com alta taxa de multiplicação e de produtividade.

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!