Conheça duas boas práticas para controlar pragas do milho antes mesmo do plantio

Ações ajudam no manejo preventivo de plantas daninhas e, por consequência, no controle de pragas iniciais

14/08/2018 14:48:32

 

O agricultor que busca a máxima produtividade do milho deve levar em conta a adoção de boas práticas agrícolas. Na fase do plantio, a cultura é mais sensível ao ataque de pragas e doenças.

Apostar no uso de híbridos Bt é uma opção fundamental para o produtor obter excelentes resultados e redução no uso de defensivos agrícolas. Porém, é necessário se prevenir com cuidados importantes já antes do plantio e que vão garantir maior eficiência no uso da biotecnologia

Semeadura “no limpo”

A expressão significa iniciar o plantio em um solo livre de pragas e doenças, que podem ter sobrevivido nas áreas de cultivo durante a entressafra, principalmente quando há o plantio direto.

Para começar “no limpo”, a primeira dica é realizar o manejo de plantas daninhas tendo a dessecação antecipada como aliada. Ela possui um peso importante no controle de pragas como a cigarrinha, percevejos e lagartas e deve estar na cartilha de boas práticas agrícolas de qualquer produtor.

A dessecação antecipada, realizada 30 dias antes do plantio, diminui ou elimina a cobertura verde, facilitando o corte da palhada já seca durante o plantio da cultura principal.

Ao realizá-la somente alguns dias antes da semeadura quando as plantas daninhas já estão mais desenvolvidas, o controle fica mais difícil. “A dessecação antecipada reduz a disponibilidade de alimentos para pragas iniciais da cultura, mas só é eficiente quando é respeitado esse mês de antecedência”, explica Julio César Fatoretto, gerente de Desenvolvimento Técnico LATAM da Syngenta. “Dessa forma você quebra o ciclo das pragas reduzindo a pressão durante a fase inicial da cultura, principalmente de lagartas maiores evitando assim a migração de insetos em estágios avançados”, completa.

Vale lembrar que as plantas daninhas competem por espaço, água, luz e nutrientes com as culturas. É nelas que podem se hospedar pragas de culturas anteriores, inclusive lagartas em estágios mais avançados, que podem ter maior dificuldade de controle.

Tudo isso exige que o agricultor saiba com precisão quais são as plantas a combater, combinando herbicidas com diferentes mecanismos de ação e monitoramento de área. A Syngenta possui o programa Lavoura Limpa, para orientar o manejo e o controle (saiba mais aqui).

Cultivo consorciado

Outra dica importante para garantir a qualidade do solo e evitar pragas é fazer o cultivo consorciado do milho com espécies forrageiras, principalmente as braquiárias, em um mesmo espaço e ao mesmo tempo.

A prática, conhecida como Sistema Santa Fé, auxilia no uso intensivo das áreas agrícolas, já que permite o seu aproveitamento durante todo o ano. “É uma forma de obter a cobertura de solo com mais eficiência e ainda garantir o pastejo na entressafra”, explica Fatoretto.

O produtor, no entanto, deve respeitar os prazos de plantio do milho e das espécies forrageiras, para garantir que sejam feitas de forma consorciada. E também monitorar o surgimento de daninhas e pragas iniciais. “É recomendada a aplicação de uma dose menor inicial de herbicidas com objetivo de segurar o desenvolvimento inicial da Brachiaria, mas não controlar totalmente. O cultivo consorciado é eficiente e ao mesmo tempo desafiador. Ele exige ações preventivas para evitar o surgimento de pragas e doenças que podem comprometer o desenvolvimento da lavoura”, diz.

A importância da biotecnologia

Com as práticas que garantem um solo livre de pragas e doenças iniciais o produtor está pronto para realizar o plantio. Nesse momento, o uso de híbridos Bt ajuda quem quer garantir a máxima produtividade já na largada.

O momento é de escolha e decisão. Para ajudar o produtor, a Syngenta possui em seu portfólio o Agrisure Viptera, a mais eficiente biotecnologia de sementes híbridas de milho para controle de lagartas e com tolerância ao glifosato. “Quando aliada ao refúgio e as boas práticas agrícolas, a tecnologia proporciona proteção da cultura em todos os estágios e ajuda a reduzir aplicações de inseticidas para o controle de pragas”, explica Fatoretto.

Leia também:

+Momento é de escolha da semente adequada de milho e soja

+Qualidade do milho silagem ajuda na máxima produtividade do leite

+3 dicas para combater percevejos no milho e na soja

VEJA MAIS

VÍDEOS

Há diversos temas essenciais à produtividade agrícola, entre eles o controle de pragas, doenças e daninhas, a eficiência de produtos e o tratamento de sementes industrial. A Syngenta preparou uma série de vídeos sobre variados assuntos e também ouviu pessoas que trabalham no campo e especialistas. Veja ao lado um conjunto desses vídeos. Boa navegação!