Dados do CEPEA mostram recuo no uso de sementes piratas de melancia

Produtor tem percebido vantagens no uso da semente F1, que tem certificação garantida e é mais resistente ao estresse climático

31/08/2018 16:48:55

Atualizado:

11/09/2018 09:46:15

 

Um número maior de produtores que cultiva melancia tem percebido os riscos e prejuízos causados pelo uso de sementes F2, comercializadas sem fiscalização e controles de qualidade, muitas vezes entre os próprios agricultores ou no mercado informal. Ela é classificada como pirata.

Esses produtores têm feito uma substituição importante e optado por um híbrido que apresenta certificação e melhor qualidade. É a semente F1, resultado do cruzamento entre plantas da mesma espécie, que proporciona ganhos em produtividade, qualidade e resistência. A constatação é revelada em dados recentes do CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) da USP – Universidade de São Paulo.

A amostragem revela que na hora da escolha o agricultor tem optado pelo caminho mais seguro, que protege o investimento e lhe garante um cultivo menos suscetível também ao ataque de doenças, além de lhe oferecer um produto final de melhor qualidade e maior valor de venda.

O levantamento do CEPEA revela que houve queda na opção de uso de sementes F2 nos estados de Tocantins e do Rio Grande do Sul, onde foram feitas as pesquisas. No comparativo entre 2017 e 2018, o uso de sementes piratas diminuiu de 40% para 30% no Tocantins. A redução no Rio Grande do Sul foi ainda maior e passou de 50% para 30%. Agricultores que utilizaram semente pirata tiveram lavouras com baixa tolerância a estresse climático, tanto em alta temperatura, como em baixa temperatura, além da baixa qualidade de fruto, aumentando reclamações e descontos dos compradores.

Escolha certa e mais segurança

No Rio Grande do Sul, produtores que optaram pelo uso da semente F1 escolheram a Semente Manchester, da Syngenta. A principal justificativa é com relação à maior resistência dela às variações climáticas.  “Como esta é uma região mais fria, esta característica é bastante importante, principalmente porque o transplantio se inicia em agosto, quando em muitos anos as temperaturas ainda são baixas”, explica Fernanda Geraldini Palmieri, pesquisadora de frutas da equipe de hortifrúti do Cepea. 

O ciclo de cultivo da semente Manchester F1 proporciona maior tolerância às condições climáticas adversas, como o calor excessivo ou o excesso de chuvas.A pesquisadora destaca também que as frutas provenientes de sementes como a Manchester também têm maior tempo de duração na pós-colheita, no comparativo com as sementes F2. Isso ajuda, por exemplo, para que a melancia mantenha o aspecto e a qualidade por mais tempo, durante o transporte.

Máxima produtividade

Quem ganha com a escolha de uma semente certificada, a F1, é o produtor, que tem mais chances de obter a máxima produtividade e também o consumidor final, com um produto de durabilidade maior e mais saboroso.

A semente Manchester F1 apresenta aspecto mais vigoroso, com grande cobertura foliar e polpa mais firme e coloração mais avermelhada, por conta do alto teor de licopeno. São características que ajudam para um maior valor de venda.

Outro benefício da melancia Manchester F1 está nas folhas com bordos mais recortados, que aumentam a eficiência dos tratamentos fitossanitários.

Prejuízos com as sementes piratas

Mesmo com tantas vantagens, alguns produtores ainda optam pelo uso de sementes piratas. Os riscos são altos. O uso das sementes F2 traz uma série de prejuízos para o agricultor. Sem procedência e qualidade garantida, e sem passar por testes fisiológicos, elas podem comprometer a produtividade e ainda expor a lavoura à contaminação de doenças.

Esse tipo de semente não conserva todas as características e atributos da variedade original. O agricultor também corre o risco de obter um fruto com qualidade e tempo de duração menores e mais exposto ao ataque de patógenos, que são agentes disseminadores de doenças.

Uma melancia plantada com semente ilegal pode ter tamanho desuniforme do fruto, ausência de sabor, casca mais fina e coloração pálida da polpa, o que acarreta em riscos para a produtividade.

Veja também:

+Melancia sem sementes ganha mercado

+Semente adequada oferece resistência à principal bactéria do repolho

+Híbrido que resiste a pragas e doenças do tomate ganha mercado

VEJA MAIS

VÍDEOS

Há diversos temas essenciais à produtividade agrícola, entre eles o controle de pragas, doenças e daninhas, a eficiência de produtos e o tratamento de sementes industrial. A Syngenta preparou uma série de vídeos sobre variados assuntos e também ouviu pessoas que trabalham no campo e especialistas. Veja ao lado um conjunto desses vídeos. Boa navegação!