Inseticida para mosca-branca evita perda de 8 scs/ha de soja

Maior desafio é alcançar a praga no dossel das plantas, onde ela se esconde, diz técnico

27/12/2017 23:46:31

Atualizado:

28/12/2017 00:01:51

 

A mosca-branca, uma das principais pragas agrícolas das regiões tropicais, tem afetado as lavouras de soja no Brasil de forma crescente nos últimos anos. “A praga ocorre principalmente no Cerrado por causa do clima favorável ao ciclo de vida do inseto e do alto número de hospedeiros”, diz Danilo Cestari, gerente em Desenvolvimento Técnico de Mercado da Syngenta.

Segundo o técnico, combater o problema exige uma tecnologia capaz de alcançar a praga, que se esconde no interior das plantas. “As moscas-brancas habitam o dossel das plantas. Atacar o inseto aí é o grande desafio”, afirma.

Entre as soluções disponíveis no mercado, a Syngenta desenvolveu o inseticida Polo, que tem um meio de ação único, de acordo com Cestari. “Além de contato e ingestão, o produto se transforma em gás depois de aplicado, eliminando as moscas e protegendo as plantas por inteiro. Testes em áreas infestadas mostram uma diferença de até 8 scs/ha quando esta tecnologia foi usada na lavoura”, diz.

Aplicação

Segundo o especialista, o inseticida deve ser aplicado sempre após o fechamento das linhas de soja, quando as plantas estão crescidas de forma que se encontram e formam um tapete verde, e no aparecimento dos primeiros adultos da mosca. “É nesse momento que a praga encontra o meio ideal e o produto age eficazmente contra ela”, explica o técnico.

A mosca-branca suga a seiva e pode injetar toxinas nas plantas, reduzindo o vigor do pé de soja. Além disso, quando se alimenta, excreta substâncias que favorecem o surgimento de um fungo conhecido como fumagina, que forma uma camada escura sobre as folhas e dificulta a fotossíntese. Isso provoca a desfolha, a redução de porte e a consequente queda de produtividade. A praga pode ainda transmitir algumas viroses que afetam a lavoura.

“Cada fêmea de mosca-branca produz até 300 ovos. O mais crítico é que ela pode se reproduzir sem machos”, diz Cestari. De acordo com o técnico, dependendo da temperatura, podem ocorrer de dois a cinco ciclos de vida do inseto durante o cultivo da soja.

Leia também:

+ Pragas podem provocar perdas de 50% na produtividade. Assista

+ Helicoverpa armigera ataca soja transgênica em Goiás

+ Mosca-branca no feijão preocupa produtores de soja no MT

VEJA MAIS

VÍDEOS

Há diversos temas essenciais à produtividade agrícola, entre eles o controle de pragas, doenças e daninhas, a eficiência de produtos e o tratamento de sementes industrial. A Syngenta preparou uma série de vídeos sobre variados assuntos e também ouviu pessoas que trabalham no campo e especialistas. Veja ao lado um conjunto desses vídeos. Boa navegação!