Saiba como melhorar o controle da lagarta-do-cartucho na lavoura de milho

Principal praga do milho, a lagarta exige atenção do produtor durante todo o ciclo da cultura, já que ela pode causar quedas consideráveis na produtividade 

22/11/2018 14:05:04

Atualizado:

23/11/2018 14:55:16

A cultura do milho enfrenta ao longo de todo o ciclo a possibilidade de incidência de um complexo de insetos, sendo a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) a praga com maior potencial de causar danos severos à lavoura e, consequentemente, prejudicar a produtividade. Portanto, para evitar prejuízo, o agricultor deve realizar um controle eficaz dessa praga.

A lagarta-do-cartucho, que ocorre tanto nos cultivos de verão quanto no milho safrinha, ataca todos os estádios de desenvolvimento da planta. Seu alto potencial reprodutivo, ciclo curto e polifagia em ambiente de sucessão de cultivo de plantas hospedeiras, aumentam a pressão de infestação. Assim, cresce o risco de pressão de seleção, o que tem dificultado seu controle mesmo em materiais resistentes a lagarta. A praga pode ainda atacar a plântula (inclusive cortando-a rente ao solo), o que tem impacto significativo na formação do stand.

Em geral, a primeira infestação da lagarta ocorre por meio de mariposas que migram de outras áreas. O inseto põe os ovos na folha e, com a eclosão, as lagartas começam a se alimentar, o que reduz a área foliar da planta. Isso leva à diminuição da capacidade de fotossíntese e, logo, do potencial produtivo.

Uma série de procedimentos pode auxiliar o produtor no manejo dessa praga. Antes do plantio, as lagartas da palhada e as plantas hospedeiras devem ser eliminadas (vale mencionar que existem mais de 100 espécies hospedeiras do inseto). O stand pode ser protegido com a utilização de tratamento de sementes adequado. Em relação ao monitoramento, se for identificado o nível de infestação, não é sensato perder tempo para realizar o controle.

Ampligo, inseticida de contato e de ingestão, combina Lambda-cialotrina e Clorantraniliprole, promovendo a sinergia dos princípios ativos oferecendo alta eficácia de controle, em função da maior velocidade de ação e longo período de residual contra a praga. 

“Ampligo, além da alta performance no controle da lagarta-do-cartucho e espectro de ação mais ampliado que outras tecnologias similares, oferece  o melhor custo-benefício do mercado.”, diz Andressa Lemos, gerente de inseticidas da Syngenta. “A recomendação é que o produto seja utilizado no período vegetativo, garantindo boa cobertura da planta”, complementa.

Além de ficar atento a questões como o monitoramento e o custo-benefício do defensivo, o produtor deve também seguir as boas práticas agrícolas, já que elas colaboram para a eficiência do produto. Entre elas estão a aplicação no período correto e com temperaturas adequadas e a boa umidade relativa do ar, a utilização correta das doses recomendadas do defensivo e o planejamento da calda de aplicação (para redução do risco de deriva).

Junto ao Ampligo, para auxiliar o agricultor na manutenção de uma lavoura de milho produtiva, a Syngenta conta com um eficiente e amplo portfólio, composto por tratamento de sementes, inseticidas, fungicidas e herbicidas.

Para garantir uma lavoura de milho de alta produtividade, o produtor deve então estar atento desde o pré-plantio até o período pós-colheita. Como a quantidade e a qualidade da produção são fundamentais para a obtenção de uma boa lucratividade, o agricultor não pode nunca deixar sua lavoura em risco.

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!