Não há previsões de La Niña nesta safra, diz especialista

Para agrônomo, fenômeno não impactará as culturas brasileiras e as condições climáticas da safra 2017/2018

06/12/2017 17:30:46

Atualizado:

07/12/2017 11:46:40

 

Apesar do serviço meteorológico da Austrália, Bureau of Meteorology (BOM), ter divulgado a ocorrência do fenômeno climático La Niña no último dia 5 de dezembro, o especialista em agrometeorologia, Marco Antônio dos Santos, descarta a possibilidade de influências na lavoura brasileira.

Para ele, o diagnóstico é precoce e os produtores não precisam se preocupar porque a referência utilizada pela instituição australiana considerou apenas irregular a temperatura no pacífico quando abaixo de 0,8°C, sem ter confirmado, ainda, a permanência desse parâmetro ao longo do próximo trimestre.

No mês de outubro, o La Niña também foi notícia nos Estados Unidos na qual entidades apontaram 64% de chances de o fenômeno durar até março do ano que vem.

Mesmo com o atraso na regularização de chuvas da região centro-norte do Brasil em outubro desse ano e que impactou no início do plantio da soja e o florescimento do café, as lavouras seguem dentro da normalidade graças às chuvas ocorridas em outubro e novembro.

“O produtor brasileiro não precisa se preocupar, pois as condições climáticas estão favoráveis e se estenderão até abril do ano que vem”, prevê o especialista. Ele ressalta ainda que os atuais períodos de estiagem no sul do Brasil devem normalizar na próxima quinzena, o que minimizaria impactos na rentabilidade das culturas.

Reflexo nas commodities

Segundo informações reportadas pela agência de notícias Bloomberg, os preços das commodities agrícolas, incluindo o milho, a soja, o trigo, o algodão, o açúcar e o café podem aumentar e ficarem voláteis se confirmado o ciclo de La Niña.

Por isso, Marco Antônio faz um alerta: “mesmo com impactos mínimos e pontuais no que diz respeito a clima, é conveniente que no próximo verão os produtores se planejem para investir em tecnologias para a construção de perfis de solo e também para o uso e implemento de defensivos que aumentem a produtividade e o crescimento vertical nas lavouras”, conclui.

Leia também:

Trigo: produtores superam média nacional com tecnologia

E-book: safra 2017/2018 vai ter clima favorável, diz agrometeorologista

Governo aprova inseticida para lagartas de difícil controle no Brasil

O que o clima reserva para a safra 17/18?

VEJA MAIS

VÍDEOS

Há diversos temas essenciais à produtividade agrícola, entre eles o controle de pragas, doenças e daninhas, a eficiência de produtos e o tratamento de sementes industrial. A Syngenta preparou uma série de vídeos sobre variados assuntos e também ouviu pessoas que trabalham no campo e especialistas. Veja ao lado um conjunto desses vídeos. Boa navegação!