Os dez mandamentos do bom cafeicultor

Alguns cuidados no manejo podem fazer a diferença para a produção de um café de qualidade

19/12/2017 15:39:17

Atualizado:

19/12/2017 15:41:29

 

Para garantir que a produção de café seja feita de forma segura é essencial o manejo correto em todas as etapas do cultivo. Alguns cuidados simples, que vão desde o preparo do solo e a proteção da florada, até a etapa certa de início da colheita, asseguram a qualidade do processo.

Engenheiro agrônomo responsável por Desenvolvimento de Mercado da Syngenta na região do Espírito Santo e do Sul de Minas, Luiz Fernandes é um especialista em café que conhece a fundo os desafios da cultura no país.

“Produzir café é uma arte que envolve paixão, mas exige muito trabalho. O cultivo de café passa não somente pelo combate às pragas e doenças que atacam o cafezal. Requer também recursos para aumentar a produtividade”, diz.

Confira as dicas do especialista:

1) Faça um bom preparo de solo. Tudo começa bem se, na hora de iniciar o cafezal, as melhores condições para que as plantas germinem e cresçam saudáveis e vigorosas são respeitadas. Para isso, é preciso encomendar uma análise do solo e, com o dignóstico em mãos, fazer as correções necessárias antes de plantar.

2) Lembre-se: a melhor época para iniciar uma nova lavoura é a entrada da primavera, para aproveitar as chuvas. Use sempre mudas de boa procedência e de qualidade para evitar replantio e atrasos de desenvolvimento.  Mudas protegidas de doenças e capazes de assegurar o bom arranque inicial da lavoura significam rápido estabelecimento da lavoura. Nessa etapa, o inseticida Durivo, da Syngenta, além de proteger contra pragas, tem ação bioativadora, estimulando a formação de raízes que tornam as plantas mais robustas. 

3) No período que vai do plantio até o início da produção, invista para evitar a matocompetição (processo usado para identificar qual ou quais plantas daninhas estarão interferindo ou inibindo a cultura), controlar pragas e doenças e assegurar uma boa adubação. Acompanhe no dia a dia o cafezal para controlar seu desenvolvimento.

4) Proteja a florada. Quando o cafezal floresce, é hora de combater os ataques de fungos. A mancha-de-phoma é um dos  principais vilões nessa fase, secando os ramos produtivos, diminuindo o número de frutos e depreciando a produtividade do cafeeiro. Fungicidas aplicados preventivamente nessa etapa reduzem o risco de incidência da doença. A Syngenta possui, em seu portfólio, o Priori Top, que deve aplicado na pré e na pós-florada para garantir a proteção completa do cafezal.

5) Quando surgem os frutos, entre outubro e novembro, fique atento: é tempo de estimular o vigor das plantas e de controlar a ferrugem, o bicho-mineiro e a cigarra-do-cafeeiro, que minam o potencial produtivo da lavoura. Um inseticida com ação bioatividora como o Verdadero é capaz de promover o melhoramento do sistema radicular da planta, que a torna mais robusta e eleva sua produtividade, e de controlar as pragas.

6) Entre janeiro e maio, atue preventivamente para evitar que a ferrugem e a cercóspora – duas doenças que trazem muito prejuízo para o cafeicultor – ataquem a lavoura. Essas doenças costumam ser mais frequentes nesse período do ano e o controle preventivo é a única forma de evitá-las. O uso do Priori Xtra evita a desfolha do cafeeiro causada pela ferrugem e impede que a cercóspora afete os grãos.

7) Não dê oportunidade ao azar: a broca e o bicho-mineiro também costumam atacar o cafezal entre janeiro e maio. A broca tem efeito direto no peso dos grãos e no rendimento da lavoura. Já o bicho-mineiro produz desfolha e reduz o potencial produtivo do pé de café. O Voliam Targo é um inseticida de aplicação foliar que protege os grãos e as folhas dessas pragas e mantém o potencial produtivo da lavoura. 

8) Só comece a colheita com pelo menos 90% dos frutos maduros, pois isso, além de aumentar no rendimento em peso da semente, gera uma bebida de maior qualidade, já que o teor de açúcar é maior. O grão colhido no momento certo tem maior valor no mercado e assegura maiores ganhos para o cafeicultor.

9) Na hora da colheita, não deixe frutos nos galhos nem no chão. Faça o repasse para assegurar que está tudo limpo. Frutos que ficam para trás, se estiverem infectados, permitem que a broca-do-café prossiga com seu ciclo de vida naturalmente e cause estragos na safra seguinte. 

10) Depois da colheita, leve o café direto da lavoura para o terreiro e para a secagem imediatamente. O processo de manejo pós-colheita deve ser ágil para que não ocorram fermentações indesejáveis, que põem a perder a qualidade dos grãos obtida até o momento da colheita.

Leia mais:

+Café: manejo químico garante 100% de proteção contra bicho-mineiro

+Broca-do-café: como combater a praga em lavouras de conilon

+Ferrugem do café pode provocar perdas de até 70% na produção 

VEJA MAIS

VÍDEOS

Há diversos temas essenciais à produtividade agrícola, entre eles o controle de pragas, doenças e daninhas, a eficiência de produtos e o tratamento de sementes industrial. A Syngenta preparou uma série de vídeos sobre variados assuntos e também ouviu pessoas que trabalham no campo e especialistas. Veja ao lado um conjunto desses vídeos. Boa navegação!