Produção de cafés especiais cresce 15% ao ano no Brasil

Expectativa é de que o país seja o maior produtor mundial deste mercado em alguns anos

29/01/2018 16:53:19

Atualizado:

05/02/2018 12:37:36

 

A produção brasileira de cafés especiais passou de 5,2 milhões de sacas em 2015 para 8,5 milhões em 2017. Os números são do Conselho Nacional do Café (CNC) e indicam um crescimento médio de 15% ao ano. "Com a população se aprimorando na degustação das bebidas especiais, os produtores se atentaram a esse cenário e entenderam que investir em qualidade é um caminho sem volta e rentável", diz o presidente do CNC, Silas Brasileiro. Segundo ele, hoje o Brasil só perde para a Colômbia na produção de cafés especiais e a expectativa é que alcance a liderança em alguns anos.

Esta também é a aposta de José Naves, responsável pela área de qualidade da Nutrade, trading criada pela Syngenta para qualificar a produção e conectar o cafeicultor brasileiro com o mercado, principalmente o externo, por meio do projeto Nucoffee (programa que permite troca de sacas de café por insumos, serviços e inteligência). Para Naves, além de já ser o maior produtor de café, o país está muito perto de tornar-se o principal fornecedor mundial de cafés especiais e diferenciados, pois o produtor "acordou" para esse mercado.

Naves estima que aproximadamente 20% do que é exportado (foram 30 milhões de sacas em 2017, segundo o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, o Cecafé) são cafés especiais que vão para Estados Unidos, Europa e Ásia. "Há 20 anos, o país ainda era visto como fornecedor de volume, mas sem qualidade. O tempo passou e o produtor enxergou que, para atingir a ponta final da cadeia (o consumidor), seria preciso investir em qualidade para oferecer um produto diferenciado e de maior valor agregado. Com isso, o volume de cafés especiais com sabores e aromas distintos foi crescendo no Brasil", diz Naves.

Leia também:

+ Produção de café conilon deve crescer 17,5% no ES

+ Cafeicultor do ES investe no manejo e colhe três vezes mais que a média

+ Os dez mandamentos do bom cafeicultor

Valor

A rentabilidade do produtor tem crescido junto com a qualidade do que é colhido. O valor pago pelo café especial é consideravelmente maior do que o do chamado café baixo. Segundo o CNC, esses produtos são comercializados por preços 60% superiores em relação ao valor do café convencional, que fica entre R$ 350 e R$ 500 a saca de 60 kg. "Os valores podem alcançar cifras muito mais altas do que isso em alguns concursos de qualidade. No mais recente, por exemplo, a saca do grão produzido em uma fazenda de Minas Gerais foi avaliada em R$ 55 mil", afirma Silas Brasileiro.

Segundo o gerente de marketing da Nutrade, Juan Gimenes, diversas regiões brasileiras tem potencial para produzir café diferenciado, do sul de Minas à Chapada Diamantina, na Bahia. A condição mais favorável é boa altitude e clima bem definido, sem influências de umidade e calor. A escolha da variedade a ser plantada, o solo rico e com manejo adequado e uma boa estratégia de colheita são decisivos para a produção de nível superior. "Todo café é especial na planta. O que fazemos após a colheita determinará se ele continuará sendo especial ou não", diz.

Para garantir mais valor, a receita do time da Nutrade é dar atenção aos detalhes da produção do fruto. "Perdemos em qualidade em alguns processos básicos, como secagem e preparo", diz Gimenes. Nos últimos dez anos, o projeto Nucoffee capacitou 80 mil produtores no pós-colheita. Hoje, 4 mil fazendas são parceiras, trocando sacas de café por pacotes tecnológicos completos para as lavouras.

O programa tem três pilares, de acordo com Gimenes:

- agronômico: programa de proteção para o cafeeiro que pode aumentar a produtividade em até 20% em relação aos concorrentes;

- serviços: ajudar o produtor a evoluir os processos de qualidade e consequentemente o valor de sua produção;

- reconhecimento: conectar as fazendas que se destacam na qualidade aos torrefadores que valorizam essa produção, melhorando a comercialização de seus cafés.

VEJA MAIS

VÍDEOS

Há diversos temas essenciais à produtividade agrícola, entre eles o controle de pragas, doenças e daninhas, a eficiência de produtos e o tratamento de sementes industrial. A Syngenta preparou uma série de vídeos sobre variados assuntos e também ouviu pessoas que trabalham no campo e especialistas. Veja ao lado um conjunto desses vídeos. Boa navegação!