Cana: como controlar daninhas sem intoxicar a lavoura

O combate a espécies que competem com a cana pode evitar perdas de produtividade

19/01/2018 10:23:54

Atualizado:

22/01/2018 16:37:16

 

Controlar as plantas daninhas sem provocar danos à cana-de-açúcar é um grande desafio para o produtor, uma vez que a cana é uma gramínea, assim como muitas das daninhas que atacam o canavial. “Capim-colonião, capim-colchão e braquiária são algumas das espécies que mais afetam os canaviais do país, mas, como pertencem à mesma família da cana-de-açúcar, exigem cuidados no manejo, ou o produtor vai não apenas erradicar as daninhas como também causar sérios impactos à produtividade do seu canavial”, explica Leonardo Pereira, gerente de Cultura Cana-de-Açúcar da Syngenta.

Existem três formas de manejo para controlar as daninhas causando o mínimo impacto nas plantas de cana. A primeira é aplicar o herbicida somente sobre as plantas daninhas. “Fazer isso é logisticamente bem complicado. Qualquer erro, e a cana acaba sendo atingida com as daninhas”, diz o técnico da Syngenta.

A segunda forma de combate é aplicar herbicidas quando a cana ainda não nasceu ou brotou. “Resolve-se o problema logístico, mas o efeito residual do produto precisa ser muito longo para evitar o nascimento das daninhas ao longo de todo o ciclo da cultura. Se forem necessárias novas aplicações, vamos cair de novo na dificuldade logística anterior”, alerta Pereira.

A forma mais efetiva de evitar que as daninhas infestem o canavial é usar um herbicida seletivo, que controle as invasoras sem afetar a cana, facilitando a vida do produtor e livrando o canavial dos prejuízos causados pelas daninhas.

“O Dual Gold da Syngenta é exatamente isso, um herbicida totalmente seletivo, ou seja, mesmo aplicado sobre a cana, não fará mal nenhum à planta. Ele controla o capim-colonião, a braquiária e acaba inclusive com o capim-colchão, que não só compete com a cana por água e nutrientes como deixa no solo uma substância que impede o crescimento da cana, efeito chamado de alelopatia”, afirma.

O Dual Gold pode ser usado de outubro a março, em todas as fases da cultura da cana, no plantio ou nas socarias. “O produto é específico para a época úmida, seguro e muito versátil. Pode ser aplicado no plantio, no quebra-lombo (operação realizada depois do plantio para uniformizar as ondulações do terreno) e nas soqueiras (as rebrotas da cana cortada), com ou sem palhas (as folhas que formam camadas no chão ou sua ausência). Vai agir contra as daninhas e preservar a produtividade do seu canavial”, assegura.

Aplicativo

A efetividade da solução Syngenta pode ser testada com o Aplicativo Dual Gold, desenvolvido especialmente para que o produtor se sinta seguro ao optar pelo herbicida. Basta baixá-lo no celular ou tablet, seguir o passo a passo para instalar uma área demonstrativa com Dual Gold e monitorar a cultura, inserindo os dados solicitados no próprio aplicativo. “Com isso, dá para comparar resultados e ter certeza de que Dual Gold facilita o manejo de daninhas no canavial e, principalmente, assegura maior produtividade da lavoura”, diz Pereira.

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!