Skip to main content

Algodão livre dos danos do bicudo-do-algodoeiro

A praga tem alto potencial destrutivo e compromete a produtividade da lavoura se não for controlada nos estádios iniciais da cultura. O manejo inclui uma série de estratégias agronômicas, entre elas, o controle químico com um multipragas eficiente

Publicado 28-04-2021 16:02:40

Linkedin Whatsapp
lavoura de algodão

cultura do algodão é uma das mais tradicionais no agronegócio e também muito sensível ao longo de todo o desenvolvimento do ciclo, o que eleva os custos de produção quando há adversidades como alterações climáticas diversas e incidência de pragas e doenças.

A praga Anthonomus grandis, popularmente conhecida como bicudo-do-algodoeiro, é considerada a principal ameaça do algodão. Seu alto poder destrutivo pode comprometer até 70% da lavoura em uma única safra, levando a perdas que podem superar 200 dólares por hectare.

Principais características do Anthonomus grandis

Além dos enormes prejuízos que pode causar à cultura do algodão, o Anthonomus grandis é uma praga de difícil controle devido à sua rápida reprodução: a cada 50 fêmeas, surgem cerca de 500 mil adultos.

Entre as principais características do bicudo-do-algodoeiro, estão:

  • O inseto é um besouro que mede cerca de 7mm de comprimento, com o rostro bastante alongado.
  • São as fêmeas que iniciam os danos à lavoura: elas ovipositam no interior dos botões florais e das maçãs do algodão, cobrindo os orifícios com uma cera que permite o desenvolvimento de larvas e pupas.
  • As larvas se alimentam dentro dos botões, resultando em aborto ou queda prematura de flores, e das maçãs, impedindo a sua abertura normal.
  • Após o ataque, as estruturas da planta são destruídas em um curto espaço de tempo.

bicudo-do-algodoeiro

É importante salientar que tanto a alimentação quanto a oviposição do Anthonomus grandis causam sérios danos às plantas, o que leva a grandes perdas na produção.

Por isso, é fundamental que o produtor realize o monitoramento constante da lavoura para detectar a presença da praga no início da infestação, de modo que o controle químico seja realizado o mais brevemente possível, evitando, assim, os prejuízos no desenvolvimento da cultura e na produtividade.

 

LEIA TAMBÉM:

Manejo adequado de bicudo é aliado da produtividade do algodão

Bicudo do algodoeiro: como mantê-lo longe de sua lavoura

Bicudo-do-algodoeiro: o principal vilão da cultura do algodão

 

Polytrin: aumente seu poder contra o bicudo do algodão e diversas pragas

No manejo de pragas do algodãoinseticida multipragas Polytrin, que compõe o portfólio de soluções da Syngenta, é uma ótima solução para o controle do Anthonomus grandis.

Também conhecido como o “limpa-trilhos do algodão”Polytrin possui uma formulação inovadora composta por dois poderosos grupos químicos: Organofosforado e Piretróide. Essa tecnologia confere um excelente controle de insetos de média e alta pressão devido à alta performance na ação de contato, ingestão e profundidade, além de ser uma ferramenta usada no manejo antirresistência.

Polytrin é um inseticida flexível no modo de aplicação, alta eficácia de controle nas aplicações tratorizadas e aéreas, proporcionando um manejo eficiente de bicudo e diversas pragas:

  • alta eficácia de controle em diferentes modalidades de aplicação: altamente eficaz no controle de bicudo em alta e baixa vazão, controle de ácaros, percevejos e outras pragas que causam prejuízo na cultura do algodão
  • amplo espectro: a mistura de dois princípios ativos de sítios de ação distintos confere controle de várias espécies de insetos;
  • alto poder de choque: atua por contato e ingestão em uma ampla gama de pragas agrícolas — bicudo, ácaros, lagartas, percevejos — controlando de forma eficaz os insetos;
  • ação translaminar: ao penetrar na planta, a solução tem uma tecnologia que redistribui rapidamente o inseticida no local tratado, o que possibilita um melhor controle dos insetos-alvo em ambos os lados da folha.
  • poderosa ação desalojante: formulação tem em sua composição elementos que provocam a repelência do bicudo, fazendo com que ele saia do interior da bráctea o que favorece a contaminação tarsal.

A aplicação do inseticida é indicada assim que a infestação populacional do bicudo-do-algodoeiro for confirmada no campo. No caso de reincidência, recomenda-se realizar uma reaplicação do produto para que haja o total controle até o fim da infestação.

Atenta aos desafios diários do produtor no campo, a Syngenta desenvolve tecnologias que contribuem para o desenvolvimento pleno da cultura do algodão, fortalecendo a agricultura nacional com lavouras cada vez mais saudáveis e produtivas. Acesse nosso portal e conheça o portfólio completo de produtos.

 

 

 

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta