Skip to main content

Algodão: não perca sua produtividade para a ramulária

Considerada a principal ameaça da cultura, a doença pode causar perdas de até 35% na lavoura e seus danos são mais expressivos entre o início do florescimento e a abertura dos primeiros capulhos

Publicado 19-11-2020 11:58:48

Linkedin Whatsapp
Algodão: não perca sua produtividade para a ramulária

A produção brasileira de algodão vem crescendo expressivamente nos últimos anos, figurando entre os cinco maiores produtores mundiais da cultura (China, Índia, EUA e Paquistão), segundo a Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão). 

O interesse se dá devido aos inúmeros subprodutos gerados pela cultura, principalmente na indústria têxtil. No Brasil, o Cerrado é a maior região produtora de algodão, com destaque para o Mato Grosso, principal estado produtor do país. 

Para se produzir algodão com segurança, qualidade e viabilidade econômica, o cotonicultor precisa manter o manejo preventivo e de combate às doenças fúngicas que podem surgir desde o início da cultura e comprometer sua produtividade.

Entre as ameaças da lavoura, a mais preocupante na cultura do algodão e responsável pelo aumento dos custos de produção no Brasil é a ramulária (Ramularia areola). Ao longo dos últimos anos, a doença ganhou força e gravidade devido ao aumento da área cultivada, ao monocultivo, aos baixos níveis de matéria orgânica, aos solos desestruturados e às falhas na destruição da soqueira.

Ramulária pode causar perdas de até 35% na lavoura de algodão

O fungo pode causar redução de até 35% na produtividade e seus sintomas se manifestam em ambas as faces da folha, com aparecimento de manchas brancas ou amareladas e de aspecto pulverulento.

Em casos mais severos, acontece a queda precoce das folhas, o que pode comprometer a produção no terço superior da planta, bem como reduzir o crescimento das estruturas reprodutivas já formadas, induzindo à abertura precoce de capulhos e à perda de qualidade de fibra.

A disseminação do patógeno é rápida, ocorrendo por meio de vento, chuva ou irrigação. Sendo assim, perdas significativas na lavoura podem ocorrer caso intervenções de controle não sejam executadas em tempo hábil.

Bravonil: alta eficiência no controle da ramulária e outras doenças do algodão

Para controlar a ramulária e o complexo de doenças do algodão, o cotonicultor deve investir em um fungicida multissítio de amplo espectro, que ofereça alta eficiência no controle da ramulária e demais ameaças.

Atenta às necessidades do produtor rural e sempre investindo no desenvolvimento de tecnologias e soluções inovadoras, a Syngenta lança na cultura do algodão o fungicida multissítio Bravonil.

Com formulação à base de Clorotalonil, a solução oferece amplo espectro, sendo extremamente eficaz no combate às principais doenças do algodão e promovendo um manejo mais consciente, contribuindo para o manejo de resistência frente aos principais ingredientes ativos existentes no mercado.

Com tecnologia Bravo em sua formulação, Bravonil proporciona maior cobertura foliar e fixação às folhas, assegurando maior resistência a chuva e protegendo a lavoura e as tecnologias fungicidas.

Com uma formulação líquida e homogênea, o produto evita danos no sistema de pulverização e entupimento dos bicos, garantindo mais conveniência ao cotonicultor.

Considerada uma das principais empresas líderes no desenvolvimento de tecnologias para o mercado agrícola no mundo, a Syngenta se preocupa em oferecer não só um portfólio integrado de produtos e serviços, mas também um aprendizado completo ao produtor, com soluções cada vez mais assertivas que vão do início do plantio ao fim da colheita.

Syngenta e você: conectados dentro e fora do campo.

NAO TEM SEGUNDO BANNER

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta