Clima favorece a incidência de ferrugem em lavouras gaúchas

Ocorrências precoces em outras regiões foram freadas pela ausência de chuvas. Confira as orientações para o manejo da doença

21/02/2019 11:24:02

Atualizado:

21/02/2019 11:33:58

A incidência antecipada da ferrugem asiática nas lavouras de soja da safra 2018/2019 acendeu o alerta para os produtores no fim do ano passado. Em novembro, os estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul somavam 55 casos da doença. O que parecia o começo de uma epidemia, no entanto, teve um desfecho diferente ocasionado pela mudança de clima.

“Entre o final de dezembro e início de fevereiro, importantes áreas produtoras do País foram afetadas pelo veranico”, explica Leandro Bessa, gerente de Fungicidas da Syngenta. O clima quente e seco freou o desenvolvimento da ferrugem nessas regiões.

Até o momento foram registrados 313 casos no Consórcio Antiferrugem – iniciativa que monitora os focos da doença no Brasil. As ocorrências se concentram no sul, com predominância no Rio Grande do Sul, que soma 122 casos. “Durante o mês de Dezembro e janeiro, quando outros estados sofriam com a estiagem, produtores gaúchos tiveram vários dias de chuva”, relata Bessa. O clima úmido e quente favoreceu a o alastramento da doença.

O grande volume de chuvas também afetou a aplicação preventiva dos fungicidas em algumas localidades, uma vez que, para a planta receber a aplicação e absorver os produtos, o clima deve ser favorável.

Por outro lado, produtores que enfrentam clima seco em outros estados aumentaram o intervalo entre aplicações e, em certas situações, deixaram de aplicar o produto. “Essa estratégia é prejudicial. É importante manter os intervalos, número de aplicações e doses recomendadas pelo manejo consciente  para evitar o desenvolvimento da doenças e inclusive de populações resistentes”, alerta o especialista da Syngenta.

A ferrugem asiática é a doença de maior impacto na cultura da soja no Brasil. Presente em todas as regiões produtoras, se não controlada, pode causar perdas de 30 a 90% da produção. A forma ideal de controle é através do manejo preventivo. A estratégia faz parte do programa da Syngenta para evitar a possível redução na sensibilidade dos fungos aos defensivos. “Com a doença instalada o controle se torna muito mais difícil. A cada dia que passa a severidade aumenta e a eficiência diminui”, conclui Bessa.

Leia também:

Manejo preventivo evita perdas causadas pela antracnose e mancha-alvo na soja

Como proteger a lavoura de soja da ferrugem asiática

Vantagens de Elatus na visão de quem entende de soja

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!