Conheça as duas principais doenças do milho e como proteger sua lavoura

Veja a solução contra doenças que derrubam a produtividade das duas safras de milho.

28/08/2019 18:20:37

Atualizado:

12/09/2019 11:31:11

Segundo a Embrapa, as doenças do milho ganharam importância no Brasil após o fim da década de 1990. Mudanças na forma de produção, no aumento do tempo de plantio relacionado às safras de verão e inverno (safra e safrinha) e a falta da rotatividade de culturas modificaram a dinâmica populacional das doenças e dificultaram cada vez mais o controle.

A Cercosporiose (Cercospora zeae-maydis) e a Mancha-Branca (Mancha-de-Phaeosphaeria) são duas das principais doenças que acometem as duas safras do milho no Brasil. Em 2000, por exemplo, o sudoeste do estado de Goiás viveu um surto de Cercosporiose que chegou a causar até 80% de perdas de produtividade em lavouras da região e dizimou a participação de mercado de alguns dos híbridos mais semeados.

Saiba mais sobre essas doenças e veja como prevenir seus investimentos:

Cercosporiose ( Cercospora zeae-maydis )

Os sintomas apresentados pela presença da Cercosporiose são vistos na folha: aparecem manchas de coloração cinza, majoritariamente retangulares, com lesões paralelas às nervuras da folha. Se não for tratada, toda a folha pode necrosar e, em casos graves, a lavoura sofre com maior incidência de acamamento das plantas. A doença ocorre em praticamente todas as áreas de plantio de milho nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

A Cercosporiose pode ser disseminada através dos seus esporos, pelo vento, ou por meio de restos culturais, mantendo a fonte de inóculo por várias safras. Maiores severidades são causadas em regiões de clima quente, entre 25 e 30°C, e umidade relativa do ar acima de 90%.

Mancha branca (mancha-de-Phaeosphaeria)

As maiores severidades de Mancha-Branca ocorrem em ambientes com temperaturas noturnas amenas (15 a 20°C), umidade e chuva em abundância. Em geral, os plantios tardios são mais suscetíveis pelo fato de o florescimento normalmente coincidir com as condições ótimas para o desenvolvimento da doença, conforme descrição acima. Além disso, durante o período de florescimento a cultura encontra-se mais sensível ao ataque dos patógenos.

A doença está presente em praticamente todas as regiões produtoras do Brasil e as perdas de produção podem chegar a 60%.

Os sintomas iniciais da Mancha-Branca caracterizam-se por lesões circulares, aquosas e verde-claras – as quais evoluem para a cor de palha. As lesões começam a aparecer nas pontas das folhas, mas rapidamente espalham-se por todo o limbo foliar, diminuindo a área fotossintética da cultura e resultando em diminuição da produtividade.

Para proteger suas safras de milho das principais doenças, conte com a solução que é referência no mercado: Priori Xtra® é o fungicida especialista no combate às doenças do milho, contendo em sua composição um triazol (Ciproconazol) e uma estrobilurina (Azoxistrobina) com altíssima mobilidade e eficácia, entregando a melhor performance no complexo de manchas, além de um efeito residual mais prolongado.

O produto deve ser aplicado preventivamente, geralmente no estágio fenológico V8 (entre 30-40 dias após a emergência). Em regiões de alta pressão de doenças ou em híbridos sensíveis, recomenda-se uma nova aplicação no pré-pendoamento do milho (VT), protegendo a cultura em suas fases mais sensíveis.

Para mais informações sobre a cultura de milho, clique aqui.

LEIA MAIS

NOTÍCIAS

Vários temas são fundamentais para a manutenção da produtividade agrícola. Entre eles, o manejo de pragas, doenças e daninhas e a eficiência de produtos. O Portal Syngenta prepara, constantemente, conteúdos jornalísticos realizados a partir de fontes de informação como engenheiros agrônomos e produtores rurais. Veja ao lado uma seleção dessas reportagens. Boa navegação!