Skip to main content

Dica Técnica pós colheita do café

A interação das principais doenças com o clima, pois elas dependem diretamente das condições de temperatura e umidade para seu desenvolvimento e reprodução

Publicado 30-07-2020 12:29:15

Linkedin Whatsapp
Dica Técnica pós colheita do café

É sabido o quanto é grande a interação das principais doenças com o clima, pois elas dependem diretamente das condições de temperatura e umidade para seu desenvolvimento e reprodução, podendo acelerar ou não sua incidência no campo.

Quando analisada, no decorrer de alguns anos, a curva de progresso dessas doenças, observa-se um padrão de evolução ao longo do tempo, ou seja, de acordo com a época do ano e o estádio fenológico da planta é esperado um comportamento para cada uma dessas doenças no campo.

Mas essa curva pode mudar de uma safra para outra, pois quando analisamos a curva de progresso da incidência de Phoma tarda (Figura 02), observa-se que a partir de março/abril, com a diminuição da temperatura e ainda com bastante umidade, há um aumento da incidência dessa doença.

Figura 01 

Figura 02

E como foi a safra 19/20?

Analisando a Figura 01, nota-se que as chuvas foram bem distribuídas durante o ano de 2020, apresentando maior frequência de dias, proporcionando maior umidade e menor temperatura média (devido à maior nebulosidade). Por isso, a mancha de Phoma (Phoma tarda) apareceu de forma antecipada ao modelo histórico e com níveis de danos acentuados, causando desfolhas importantes nos meses de JAN-MAR. Assim, devemos redobrar a atenção no manejo da doença, visto que temos maior inóculo inicial e maior pressão da doença durante o período de colheita do cafeeiro.

Portanto, é importante o uso da pulverização pós-colheita do cafeeiro, que visa a proteção contra as doenças, a fim de garantir a diminuição de possíveis estruturas de resistência dos fungos e aumento substancial de problemas para a próxima florada.

Recomendação Syngenta

A aplicação em pós-colheita, com o Priori Top (0,4) + Ochima (0,4) + Auge (2,0) logo após a derriça dos grãos, é recomendada com objetivo de garantir o efeito curativo e protetor em uma mesma aplicação. Assim, teremos a ação de três grupos químicos diferentes: um triazol (Difenoconazol) + estrobilurina (Azoxistrobina) + Cúprico (Ação multissítio), garantindo a máxima proteção.

Para restrição de uso nos estados, sempre consulte a bula do produto

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta