Skip to main content

Florada do café: como proteger a produtividade de doenças

A mancha-de-phoma é uma das principais preocupações dos cafeicultores no período de florada e seu ataque pode comprometer a produtividade da lavoura

Publicado 01-03-2021 08:57:24

Linkedin Whatsapp
Florada do café: como proteger a produtividade de doenças

A produção dos cafés do Brasil para a safra 2021 está estimada em 49,58 milhões de sacas, segundo relatório da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

As condições climáticas favoráveis registradas em 2020 contribuíram com uma boa florada na safra anterior, levando a uma maturação dos grãos mais uniforme e de melhor qualidade. Além do fator climático, o uso de soluções de aplicação na pré e pós-florada auxiliou na proteção do cafezal, controlando doenças como a mancha-de-phoma (Phoma costaricensis), considerada uma ameaça da produtividade.

Dentre os patógenos que ameaçam o desenvolvimento pleno da lavoura, a mancha-de-phoma se destaca como a mais preocupante devido a:

  • seca dos ponteiros, que deixa as folhas com aspecto de queimado;
  • mumificação dos chumbinhos, causando a podridão das sementes que seriam usadas na próxima safra;
  • grande potencial de perda produtiva, afetando cerca de 20 a 50% da lavoura com a desfolha se não for controlada a tempo.

Mancha-de-phoma é preocupação nas lavouras de café

Priori Top: cafezal livre da mancha-de-phoma

Para proporcionar ganhos em produtividade e rentabilidade, a Syngenta desenvolveu Priori Top, fungicida sistêmico para o melhor controle das doenças do café, em especial a mancha-de-phoma.

Com a flexibilidade de poder ser aplicado em diferentes momentos da cultura, a solução oferece proteção aos cafeeiros, que se desenvolvem com plantas cheias de folhas e flores uniformes.

Luiz Fernandes, que atua como Desenvolvimento Técnico de Mercado da Syngenta no sul de Minas Gerais, fala sobre os momentos essenciais de aplicação de Priori Top na lavoura:

A primeira aplicação deve ocorrer na pré-florada, período em que a planta ainda não está com as flores abertas, e a segunda aplicação na pós-florada, quando as flores já se abriram e começaram a secar e cair. A proteção preventiva da lavoura contra a principal doença da florada do cafeeiro melhora o pegamento floral e mantém o teto produtivo assegurado durante o período mais favorável para a evolução do patógeno”, explicou.

Além de facilitar a rotina do produtor rural, pois mesmo que perca o momento certo da aplicação preventiva ainda há a possibilidade de uso do fungicida em outro momento do ciclo, Priori Top conta outros diferenciais:

  • amplo espectro: tem o potencial de controlar a mancha-de-phoma e outras doenças que compõem o complexo de doenças;
  • controle com residual: a formulação conta com dois princípios ativos potentes que distribuem a solução de forma sistêmica pela planta, proporcionando uma proteção completa e por um longo tempo.

 

A escolha de um fungicida assertivo para conquistar um cafezal com uma florada bonita e produtiva também depende das boas práticas agrícolas durante todo o ciclo. Por isso, conte com o portfólio de produtos da Syngenta e conecte-se, dia a dia, dentro e fora do campo, com as melhores soluções.

NAO TEM SEGUNDO BANNER

Banner do fungicida Priori Top

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta