Skip to main content

Nematoides: prejuízos podem chegar a R$ 35 bilhões por ano

Conhecido como o inimigo oculto da lavoura, esse tipo de verme não é visível a olho nu, mas pode acabar com a produtividade por causar danos sem ser percebido

Publicado 23-11-2021 14:28:17

Linkedin Whatsapp
Nematoides na soja

Os nematoides são vermes conhecidos como inimigos ocultos da lavoura e, por serem microscópicos, não são visíveis a olho nu. Nesse caso, o produtor só se dá conta dos danos causados por essas pragas no momento do crescimento das plantas – que fica abaixo do esperado – ou por meio de reboleiras (local em que as plantas também apresentam menor desenvolvimento, além do amarelecimento de suas folhas).

Há diferentes espécies de nematoides em solos agrícolas, e uma parcela substancial desses vermes alimenta-se diretamente nas raízes das plantas. Eles podem ser: endoparasitas, que invadem os tecidos radiculares e permanecem grande parte do seu ciclo de vida dentro das raízes das plantas; ou ectoparasitas, que podem ficar com parte do corpo fora da raiz. No entanto, seu estilete bucal permanece na parte interna, alimentando-se do material intracelular.

Além disso, há problemas com o estabelecimento do estande e com a incidência de plantas com menor crescimento que as outras. Não é possível extingui-los do campo, mas o controle populacional da praga é essencial para que os danos não impactem a rentabilidade da safra.

Somente na soja – cultura de maior importância para o agronegócio nacional –, cerca de 100 espécies de nematoides podem atacar a área produtiva e, mesmo que os sintomas não apareçam nas reboleiras de início, vale ressaltar que os danos causam grandes prejuízos.

Quanto os prejuízos causados por nematoides pesam no bolso do produtor?

Além dos desafios enfrentados pelos produtores, o manejo de nematoides não deve ser ignorado, devido ao grande impacto econômico que os danos causados por esses vermes podem proporcionar à produtividade. Para termos uma ideia, eles representam a perda entre 10% e 15% de toda a produção agrícola mundial, o que corresponde a mais de US$ 100 bilhões por ano.

Nesse cenário, dados da SBN (Sociedade Brasileira de Nematologia) mostram que o problema é uma grande preocupação no Brasil, chegando a R$ 35 bilhões em prejuízos por ano. No mapa abaixo é possível verificar os números por cultura e as regiões mais atingidas pelos nematoides:

Infográfico

Apenas na soja, os prejuízos atingem R$ 16,2 bilhões ao anoum número superior aos prejuízos causados pela ferrugem asiática, por exemplo, que é a principal doença que ocorre na cultura.

Vale ressaltar que os problemas advindos dos nematoides não são específicos a uma determinada área produtiva, mas sim a todas as regiões de produção agrícola do país, com aumento de frequência de algumas espécies nos últimos anos, tornando-se potenciais patógenos a culturas de interesse econômico, como a soja.

Nematoides sempre foram danosos ao campo?

Se os nematoides são vermes que sempre existiram na natureza, desde quando eles começaram a prejudicar a agricultura nacional?

Para proporcionar o máximo potencial produtivo às lavouras, a agricultura brasileira evoluiu muito nos cuidados com o campo, adotando boas práticas agrícolas e novos sistemas de plantio – e estes, no entanto, favoreceram o aumento populacional de nematoides em diversas culturas.

De modo geral, essas pragas acabaram sendo introduzidas em áreas produtivas através de maquinários agrícolas contaminados, de mudas desenvolvidas em substratos infectados, das águas usadas para irrigação e de ventos fortes.

Com o último levantamento, realizado em 2017, é possível verificar a evolução da praga, assim como a agressividade com que os nematoides avançaram em praticamente todas as regiões produtivas do Brasil:

mapa

Legenda

Principais espécies de nematoides

Além da dificuldade de identificar os nematoides, outro problema é que eles podem atacar a lavoura e prejudicar a produtividade. Confira quais são as principais espécies e como a incidência desses vermes aumentou em nosso país no período de 2003 a 2017:

Nematoide-das-galhas (Meloidogyne javanica)

Os danos causados por nematoides do gênero Meloidogyne estão relacionados com o crescimento atípico das células vegetais, o que provoca hiperplasia tecidual ou hipertrofia celular; assim, há a formação de galhas de variados tamanhos, comprometendo o desenvolvimento das plantas.

Incidência entre 2003 e 2010

mapa

Incidência entre 2003 e 2017

mapa

Legenda

Fonte: Amostras dos principais laboratórios de Nematologia, 2017

Nematoide-das-lesões (Pratylenchus brachyurus)

As fêmeas depositam os ovos no solo e iniciam o parasitismo nas plantas. Quando se alimentam, ocasionam lesões radiculares por meio da liberação de toxinas no córtex radicular. Seus danos às raízes também servem de porta de entrada para fungos e bactérias.

Incidência entre 2003 e 2010

mapa

Incidência entre 2003 e 2017

mapa

Legenda

Nematoide reniforme (Rotylenchulus reniformis)

É uma espécie que está em constante crescimento no Brasil e vem ganhando grande importância na cultura da soja nos últimos dois anos. O sintoma típico do ataque desse nematoide é a chamada folha carijó, ou seja, uma espécie de necrose entre as nervuras das folhas, que pode levar a erros de diagnose no campo associada à fitotoxicidade, além disso, expressa a desuniformidade das plantas. Assim, o maior indício desse verme é a redução das radicelas em função do parasitismo estabelecido.

Incidência entre 2003 e 2010

mapa

Incidência entre 2003 e 2017

Legenda

Legenda

Fonte: Amostras dos principais laboratórios de Nematologia, 2017

Nematoide do cisto da soja (Heterodera glycines)

É um nematoide que reduz as raízes e a nodulação das plantas de soja, sendo possível observar as fêmeas (cistos) com coloração branca/amarelada nas raízes. Seu principal dano é o baixo crescimento das plantas, ocasionando clorose, nanismo e amarelamento.

Incidência entre 2003 e 2010

mapa

Incidência entre 2003 e 2017

mapa

Legenda

Nematoide espiralado (Helicotylenchus dihystera)

É considerado um nematoide ectoparasita e endoparasita migratório e, portanto, tem capacidade de penetrar nas raízes. Além disso, é um verme polífago (pois se alimenta de diversas culturas), que tem apresentado grande crescimento nas lavouras nos últimos anos.

Incidência entre 2003 e 2010

mapa

Incidência entre 2003 e 2017

mapa

Legenda

Nematoide da haste verde (Aphelenchoides spp.):

Essa espécie vem crescendo com frequência nas lavouras de soja, causando perdas de até 100% do rendimento da cultura nas áreas mais atacadas. É responsável pela doença popularmente conhecida como “Soja Louca II”, que causa haste verde e retenção foliar na soja. Tem rápida multiplicação e pode se desenvolver normalmente no solo sem a necessidade de plantas hospedeiras.

A importância do manejo de nematoides

Como os nematoides são pragas impossíveis de serem erradicadas, é essencial que o produtor realize o manejo adequado contra o seu aumento populacional, a fim de evitar que a grande pressão desses vermes prejudique a sanidade da lavoura.

Entre as boas práticas agrícolas necessárias para controlar o problema com nematoides no campo, destacam-se:

  • adoção da rotação de culturas;

  • higienização correta de maquinários e implementos agrícolas, principalmente se a área já teve incidência de nematoides no solo anteriormente;

  • uso de mudas em substratos esterilizados;

  • plantio de cultivares resistentes;

  • realização da limpeza de reservatórios e canais de irrigação.

Além disso, o tratamento de sementes com ativos biológicos de ação nematicida é uma excelente ferramenta para o manejo, pois atua protegendo o sistema radicular das plantas na fase inicial de desenvolvimento da cultura, o que reduz a penetração do nematoide e contribui para o estabelecimento do estande. Uma planta com sistema radicular mais vigoroso acaba resistindo melhor ao ataque dos nematoides.

Assim, percebemos que o problema com nematoides existe e está em constante crescimento, mas é importante ressaltar que é possível adotar práticas que reduzam ao máximo a população ou que permitam a convivência com o patógeno. No entanto, o grande desafio é conscientizar o produtor sobre a presença dos problemas com nematoides para que a produtividade não seja totalmente comprometida.

Para isso, conte com o portfólio de produtos da Syngenta e veja como as tecnologias podem contribuir para o máximo potencial produtivo da sua lavoura, do início ao fim do ciclo da cultura.

A Syngenta está ao lado do produtor rural em todos os momentos, com o objetivo de impulsionar o agronegócio brasileiro com qualidade e inovações tecnológicas.

Acesse o portal da Syngenta e acompanhe todos os artigos do Mais Agro para saber tudo o que está acontecendo no campo!

 

TEM SEGUNDO BANNER

Conteúdos Relacionados

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta