Skip to main content

Spodoptera frugiperda: como combater a principal praga do milho

Também conhecida como lagarta-do-cartucho, a sua presença na lavoura exige a atenção do produtor para não causar danos econômicos à cultura

Publicado 30-07-2021 19:33:04

Linkedin Whatsapp
Lavoura de milho

A cultura do milho é atacada por diversas espécies de pragas, da semeadura à colheita. A infestação de lagartas nas lavouras de milho pode comprometer até 50% da produtividade se não for controlada a tempo e a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) é a principal vilã.

Seu nome refere-se ao fato de a lagarta atacar principalmente a parte central do milho, ou seja, o cartucho. Porém, a Spodoptera também pode atacar outras partes da planta, incluindo a espiga. Além disso, trata-se de uma espécie polífaga, ou seja, que pode se alimentar de várias culturas.

Spodoptera frugiperda

A lagarta-do-cartucho é considerada a mais prejudicial para o milho, pois seus altos danos podem matar a planta totalmente. Quando ainda são jovens, essas pragas costumam se alimentar do limbo foliar, provocando o sintoma de folhas raspadas, que interfere diretamente em seu crescimento e desenvolvimento. Depois, passam a atacar as folhas centrais da região do cartucho, podendo causar desfolha e até destruí-lo completamente.

Os adultos são mariposas com longevidade de cerca de 10 a 12 dias e iniciam o ataque com a postura dos ovos na folhagem do milho. Após um período de 3 a 5 dias, pequenas lagartas eclodem e começam a se alimentar (raspagem) das folhas.

Com o passar do tempo, elas aumentam de tamanho e iniciam a perfuração foliar, deslocando-se para a região do cartucho das plantas, sendo esse o seu local preferido para desenvolvimento e abrigo. A fase larval dura cerca de 14 a 22 dias e, depois, as lagartas se transformam em pupas e dão origem a novos adultos.

O clima tem um papel importante no desenvolvimento da praga: em períodos de tempo quente e seco, os danos causados pela lagarta são mais graves.

Monitoramento

Para o manejo assertivo da lagarta-do-cartucho no milho, o agricultor precisa realizar o monitoramento da lavoura para determinar o nível populacional da praga. Ele pode ser feito de duas formas principais:

  1. Com o uso de armadilhas contendo uma pastilha de feromônio;
  2. Através da amostragem no campo, por caminhamento em zigue-zague.

A tomada de decisão sobre a aplicação de inseticidas para o controle da lagarta-do-cartucho deve ser pautada nas amostragens e na infestação média de cada talhão. Para plantas de milho com até 30 dias, deve-se controlar o inseto quando houver 20% das plantas atacadas. Já no caso de plantas entre 40 e 60 dias, a porcentagem é de 10%.[1] 

O monitoramento correto é fundamental para fornecer maior segurança para o agricultor quanto à aplicação de defensivos químicos, a fim de que sejam evitados desperdícios de produto e indução de resistência da praga ao inseticida.

Com a escolha do produto certo, as lagartas na lavoura de milho estão com os dias contados! Somada a outras ferramentas que fazem parte da realização do manejo eficaz, a aplicação de Ampligo, da Syngenta, amplia as chances de obter bons resultados na colheita e, consequentemente, na comercialização do grão.

Ampligo: ação imediata por muito mais tempo contra a Spodoptera

Em um piscar de olhos, as lagartas podem invadir a sua lavoura de milho e causar danos de forma surpreendente. Para evitar prejuízos que comprometam a produtividade, a Syngenta desenvolveu Ampligo, inseticida de contato e ingestão que age rapidamente, conferindo o completo controle da lagarta.

Ampligo combina duas moléculas com modos de ação diferentes. A Lambda-Cialotrina pertence ao grupo químico dos piretroides e interfere na ação dos canais de sódio, promovendo hiperatividade e bloqueio nervoso da praga.

Já o Clorantraniliprole pertence ao grupo das diamidas e é um modulador dos canais de rianodina, provocando liberação irregular dos estoques de cálcio do inseto. Dessa forma, ocasiona a contração invulgar das células musculares da praga, levando-a à paralisia, cessando a sua alimentação e causando, por fim, a sua morte.

A formulação inovadora de Ampligo oferece ao agricultor:

  • Eficiência comprovada contra a principal praga do milho;
  • Produtividade que potencializa os ganhos da lavoura;
  • Proteção que age desde o momento da eclosão dos ovos, com efeito residual prolongado.

Além disso, os excelentes resultados de Ampligo se dão pela sua boa aderência à planta, tornando-a mais resistente durante o período chuvoso, por exemplo; e também por conta da sua rápida velocidade de ação, que aumenta o tempo de controle residual da aplicação, protegendo a planta por um período mais longo.

Resultados de Ampligo

O inseticida Ampligo tem resultados comprovados nas lavouras de todo o país, com ação superior à dos principais ingredientes ativos usados no controle de lagartas do mercado, permitindo que o produtor tenha mais segurança e tranquilidade ao longo do desenvolvimento do milho.

Resultados Ampligo

Ampligo faz parte do portfólio de soluções da Syngenta, que não mede esforços para estar sempre ao lado do produtor, em busca dos melhores resultados para aumentar a produtividade da cultura de milho e contribuir para o crescimento do segmento no país.

NAO TEM SEGUNDO BANNER

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta