Ciclo da

Soja

APLICAÇÃO 0

entre 25 e 30 dias após a emergência

Iremos chamar de aplicação “0” aquelas realizadas na fase vegetativa. Esse nome se deve ao fato de essa aplicação não ser “obrigatória”, porém é extremamente “desejável”, uma vez que traz bons resultados no controle de doenças secundárias e produtividade. O foco dessa aplicação deve ser principalmente oídio, antracnose e o complexo de manchas (dificilmente essa aplicação deve ser direcionada pela ferrugem). Nessa fase, não necessariamente deve-se usar parceiros junto aos fungicidas específicos.

APLICAÇÕES 1 E 2

entre 45 e 70 dias após a emergência

Têm esse nome por serem as primeiras aplicações “obrigatórias” em qualquer programa de aplicação. São as mais importantes, pois protegem o período mais sensível e crítico na definição do potencial produtivo da soja (floração e formação de vagens). Aqui o foco primário sempre deve ser a ferrugem, e o controle deve ser feito com os melhores produtos de ação preventiva (carboxamidas). Nessa fase, mandatoriamente, todos os produtos específicos devem ser usados com parceiros.

 

APLICAÇÕES 3 E 4

após 70 dias da emergência (últimas aplicações)

Nessa fase o foco principal continua sendo a ferrugem, agora com produtos com ação curativa (Triazóis com ação em ferrugem), pois são grandes as chances de já haver infecção estabelecida. Outra doença que se manifesta nesse momento é a cercosporiose. Nessa fase, mandatoriamente, todos os produtos específicos devem ser usados com parceiros.